domingo

A Centaura e a Esfinge

Tudo em você é muito novo,
mexe com coisas doídas,
velhas, antigas,
que nem sentido têm mais.
É como entrar numa esfinge,
sei que lá tem ela segredos,
eles existem,
mas não assustam mais.
Você é como terra molhada:
onda do mar revirada,
que exala presença no ar.
Corte de sela marcado,
trotar de centaura, estrelado,
suave no seu caminhar.
És de repouso a garupa
que de rédeas-crinas seduz.
beijo macio que, tomado,
és mistério, veneno sagrado,
és vento, és volátil, és luz.


Agora clique e escute o autor:


Esse texto pertence à obra “A Centaura e a Esfinge” protegida por direitos autorais sob nº 340454/EDA – Fundação Biblioteca Nacional.

14 comentários:

Jaida Mundim disse...

Meu querido,

Eu já havia tido a honra de ler este belíssimo texto seu, inclusive o tenho guardado com carinho em meus arquivos. Falar sobre seus textos é algo para o qual eu seria totalmente suspeita, tendo em vista que sou sua fã desde que era uma menina. Só me resta desejar muito sucesso com seu livro. Estarei torcendo sempre por vc.
Um beijo desta sua pupila que jamais te esquece,
Jaida

Rosangela disse...

Como eu me senti ao sair daquela praça em Saltzburg, onde eu vivia um êxtase com o universo,dançando no infinito da noite estrelada com todas as cores ,tons e sub-tons do infinito profundo,embalada pelas músicas de Mozart e classicos russos no som da balalaika?! Ao entrar em um cyber-café decidi de terminar minha noite lendo as mensagens das pessoas conhecidas e desconhecidas que me são caríssimas...me deparo com sua mensagem para postar em seu blog. Jorge... completei o ciclo e fiz uma "viajem astral" todos os meus sentidos ja estavam quase completos... faltava sua poesia... só um poeta poderia me compreender este momento "sagrado"!

tibeu disse...

Adorei este blog, os seus poemas e todo o conjunto, será que posso colocar alguns dos poemas no meu blog, fazendo referência de quem são. São lindos e devem ser divulgados. Não colocarei sem opter uma resposta. Voltarei bj

REGGINA MOON disse...

Jorge,

Seu Blog é muito belo, com textos expressivos e és um autor de muita sensibilidade e brilhante em tudo o que escreves.
Nos mostra os dois lados das pessoas, nos fazendo pensar e sermos livres...apenas almas, num eterno encontro com si mesmas...

Forte abraço amigo,
em visita,

Reggina Moon

Alice Senna disse...

Ola! Muito lindo o poema! Gosto dos escritos que me colocam em meio aos paradoxos que emergem com o amor! Demorei, mas cheguei! rs. Obrigada pelo convite.

Valéria disse...

É mesmo bonito, Jorge! Bom mesmo, no entanto, é quando você o lê ao meu ouvido!

ANA PAULA F. GERVONI disse...

Simplesmente encantador esse poema.
Fala de uma sagitariana? rs
bjos

Colecionadora de Silêncios disse...

Belíssimo!

Parabéns pela sensibilidade singular que vc tem!

Beijos

Rosa Cristinna Campos disse...

Entre rimas e métricas, a "Centaura" permeou meu espírito, transcedeu, me fez respirar fundo e novamente começar a leitura para ter a certeza de que esse poema foi escrito, que eu não não estava (egóicamente)sonhando.
Muito bom!!

VIRGINIA NUBIA disse...

ATE OS COMENTARIOS FAZEM JUZ A SUA SENSIBILIDADE E VEIA POETICA....ME SINTO INCAPAZAR DE ESCREVER ALGO A ALTURA,,,MAS COM CERTEZA SINTO FORTEMENTE A EMOCAO E O SENTIDO DA POESIA..PARABENS...BEIJO
VIRGINIA

Idalina de Carvalho disse...

Muito forte sua poesia. Intensa e, acima de tudo, muito bem construída.
Gostei muito do blog.
Parabéns, poeta menino!

Lou Albergaria disse...

Sua poesia é forte e bela!

Sucesso com o blog e lançamento de seu livro!

Beijo,


Lou

LEo disse...

as esfinge e a centaura é uma poesia de profundidade da alma
e do espirito que exaltou os meus olhos e a alma amei pr.norma maciel santos

Anônimo disse...

Jorge,

Estou muito feliz de poder ler os teus textos que estão cheios de sentimentos e cultura. Digamos, consegui incorporar alguns poemas; caminhei nas areias finas do teu pensar, quebrei a ampulheta do tempo; - e, assim permaneci. É formidável o teu blog - contém a essência dos genuínos poetas. Meu sincero parabéns!

Lu Rocha.