domingo

O Lobo e as luas passadas

Que te aflijam as dores
e os amores pendentes.
Que te inquietem rumores
à tua volta crescentes.
Salva tua pele tosca,
Lobo,
seca, cicatrizada,
estória das tuas feridas
batalhas inacabadas.
Chore ao menos por ti,
doce alma despreparada,
chore as covas da vida
uive pras luas passadas.


Agora clique e escute o autor:


Esse texto pertence à obra “A Centaura e a Esfinge” protegida por direitos autorais sob nº 340454/EDA – Fundação Biblioteca Nacional.

Um comentário:

Mariah disse...

Hoje, Poeta, foi o dia desta poesia.
Sou loba, uivando de dor e alegria, para a lua brilhante e grande no vasto céu.
VOCÊ, escreve por mim.
Muito bonito, e me serve como uma luva, para variar.
beijO.
Selia.yakesrsha