domingo

Sentimento pleno

Eis o sentimento pleno,
nele tudo se encaixa!
Tudo é correto, sem extremos,
sentimentos reais...
... sempre sem graça.
Perdida,
querida alma tua?
Sem instantes na vida,
perdida de não amar.
Porem, de extrema lealdade,
foge alma da verdade,
corre extrema dor,
o que há?
Certa de não ter....
- Onde segurar?
...para não perder tempo
antes do amor, ou jantar,
o retrato vivo
de cada desses momentos,
ou querer trocar de lugar?
Flutua cenro cativante (?),
mares outros, alma de Cervantes,
luxúrias sem cais, nau “adernante”,
“auto nau” frágil, alto mar.
...que de real nem amas como antes,
mas trais na vida seu amor mais puro,
não por outrem,
mas sempre seu, cativo e semelhante.
De um lado o desamor
do outro o não amar!
Estás bem, porem...
...sozinha como antes!


Agora clique e escute o autor:


Esse texto pertence à obra “A Centaura e a Esfinge” protegida por direitos autorais sob nº 340454/EDA – Fundação Biblioteca Nacional.

Um comentário:

nolvia_fagundes@hotmail.com disse...

Textos ou poesias...sei q sao trecho de um texto,lindo,poetico e mt romantico...vc traduz carinhosamente o amor,o encontro de almas...estou falando nao so de um trecho de um texto,mas no contexto geral....parabens Jorge...adorei teu espaço.
abs